15/06/05

Saudade

Arranca-me daqui, não consigo respirar... faz-me tanta falta beber do teu ar perfumado, rico e envolvente... Estala os dedos e faz-me voar. Voar até ti, até aí, onde quer que estejas. Esta saudade sufoca-me... intoxica-me quase tanto como estar contigo. Faz-me revirar na minha campa, caso estivesse morto. Quero ser forte, mas nada vence a saudade... e fico aqui, a olhar o infinito da parede, desenhando o teu rosto com o meu olhar... transformo cada respiração num suspiro, sinto o meu peito explodir a cada palavra e agarro-me à frágil liana da vontade, remetendo a ânsia de deixar tudo para mais tarde... mas a saudade sempre volta. E isso conforta-me...

3 Comentários:

Blogger PePtiDaSe disse...

Volta e voltará sempre... Parece-me que a palavra eternidade começa a ganhar dimensão...

3:01 da tarde  
Blogger ZeoX disse...

A eternidade, por maior que possa parecer, cabe sempre num coração humano que não conheça limites...

2:57 da manhã  
Anonymous Irmã Energumena disse...

Zeox, tome juizo e vá mas é ter com as suas boas amigas boas, Aleisa e Kelloguita e deixe-se de conversas... olhe que o tempo urge...

7:13 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial